Técnica

David Bilger
(Principal - Philadelphia Symphony Orchestra)
Retirado do Masterclasse para o ITG

Técnica

A técnica pode ser dividida em 6 principais categorias: sonoridade, articulação, flexibilidade, agilidade, extensão e resistência. O que se segue são idéias e exemplos de exercícios e estudos que pode ser utilizada para melhorar estas habilidades necessárias para um trompetista. Idéias sobre aquecimento e rotinas serão oferecidos mais tarde.

Som: Uma boa sonoridade no trompete é uma combinação de uma embocadura funcional e a utilização adequada do ar. Assim, os seguintes exemplos irão concentrar-se na melhoria da resistência e do foco ou fluxo de ar (ou ambos!!!).

1 - Notas Longas: Tocar sustentando notas de pelo menos 12 batimentos em quatro = 60 certificando-se de que o som é bom e estável. Continue com a mesma sensação de fluxo de ar que você obteve com as notas longas enquanto toca Herbert L. Clarke Technical Studies (# 1-5). Chamo isso de "movendo notas longas". A idéia é manter o livre fluxo do ar que nós conseguimos com as notas longas. Também usar para Schlossberg Daily Drills e Claude Gordon Systematic Approach to Daily Practice.

2 - Estudos de Fluência: Estes também poderiam ser chamados estudos líricos. Assim como nós falamos sobre como manter o fluxo do ar no referido "movendo notas longas", praticando estudos de fluência continua a reforçar a idéia de sempre usar o ar suficiente. Materiais de uso para este fim são Stamp Warm - até Studies (também usada para notas pedais), Concone Lyrical Studies, Bordogni 24 Vocalises (também usado para a transposição), e Cichowicz Trumpet Flow Studies.

3- Notas Pedais e Bends: Utilizando as notas pedais e os bends podem-se reforçar a embocadura. Exercícios de notas pedais do Stamp Warm - de Estudos e Gordon Systematic Approach ao Daily Practice são um bom modo para começar. Bend será discutido em profundidade na classe, e exemplos podem ser encontrados no adendo.

4- Buzzing: Todos os estudos anteriores podem ser feitos com o bocal. Buzzing é uma parte importante do desenvolvimento saudável, porque obriga o trompetista a concentrar-se nas notas, em vez de basear-se no trompete para fazer isso para você.

Articulação: é uma combinação de equilíbrio adequado entre a língua e o ar. Ao praticar a articulação, um trompetista sempre deve concentrar-se em uma flutuação da língua sobre uma base de ar e, em seguida, trabalhar a língua em uma posição e uma movimentação fácil. Articulação simples e dupla são a base de todas as articulações, e deve ser praticado independentemente uma da outra. Sem uma rápida articulação simples, um bom triplo não é possível. Não há nenhum substituto para a prática de articulação. Seguem - se sugestões de exercícios, mas literalmente cada texto tem uma seção sobre articulação. Tente Charlier 36 Etudes (# 14, 16, 22, e 25), Goldman Practical Studies (1-4), e a maioria do livro Arban.

Flexibilidade: engloba todos os aspectos de tocar trompete, especialmente articulação e extensão. Exercícios de flexibilidade de lábios são realmente exercícios para a língua, uma vez que usa-se a língua para produzir as notas. O livro Arban é uma boa prática, mas outros materiais incluindo Colin Lip Flexibilities, Schlossberg Daily Drills e Irons 27 Grupos de Exercícios.

Agilidade: Agilidade na verdade refere-se à rapidez de um trompetista entre os dedos e cérebro. Incluído neste tópico está treino de habilidades, estudos de transposição e leituras.

1 - Habilidade com os dedos é extremamente importante, e muitas vezes esquecida. Para melhorar a habilidade, recomendo praticar grandes e pequenas escalas, cromática escalas, arpejos do Arban Complete Method. Nada pode substituir esses estudos. Outras fontes de melhorar a agilidade com os dedos são Nagel Speed Estudos e Vizzuti avançada Etudes.

2 - Transposição é uma habilidade necessária para qualquer trompetista profissional que tenha objetivos. É também um dos mais esquecidos, pois é muito trabalho e é não tem resultado a curto prazo. Comece com o Caffarelli 100 Studi Melodici e Bordogni 24 Vocalises, e mude para o Sachse 100 Etudes. Esteja ciente de que a transposição requer um investimento constante de longo prazo do seu tempo (anos!), E não deve ser menosprezada.

3 - Leitura a primeira vista é uma habilidade que pode ser praticada numa base diária. Pegue qualquer novo, velho ou desconhecida peça de música, e logo você terá uma leitura. Leia duetos com um amigo, ou um desafie - se apenas por diversão. Hickman Music Speed Reading é um texto de qualidade com dicas sobre como melhorar suas habilidades, como é Dufresne Develop Sight Reading.

Extensão: extensão (tanto aguda e grave) são funções de força na embocadura, posição da língua, fluxo de ar, e centragem. Muitos exercícios já discutido aumentarão a extensão, tais como notas pedais, bends, os estudos de flexibilidade, estudos de fluência, etc. Tente praticando ligaduras de oitava enquanto certifique-se de mudar o seu som de vogal Ah! para Eeee! partindo do grave para o agudo. Certifique-se de não usar demasiadamente pequenas ou grande pressão no registro agudo. Lembre se, se você não praticá-lo, não poderá fazê-lo -- o que se aplica às notas agudas também. Algumas coisas estão na prática de Stamp Warm - até Studies, Gordon Systematic Approach ao Daily Practice, Smith Top Tons, e Vizzuti Advanced Etudes.

Resistência: Como no caso da extensão, a resistência também é uma combinação de muitos dos temas já abordados e ajudará com a prática dos mesmos estudos. As duas outras coisas que vão mais rapidamente melhorar a resistência será a eficiência e a prática.

1 - Eficiência é uma necessidade para qualquer músico de metal. Tocar o trompete é muito físico e tocar eficiente irá reduzir as exigências sobre o trompetista. Eficiência pode ser alcançada pela atenção dos seguintes procedimentos:

A. Utilize sempre um bom volume de ar e de alta velocidade.
B. Sempre toque com o conjunto de sua embocadura.
C. Não use pressão excessiva
D. Pratique com a parte superior do corpo relaxada.
E. Sempre pense no que está fazendo enquanto toca

2 - Prática de Dinâmica é outra parte de tocar trompete que é muitas vezes esquecida. Lembre-se, quando praticado em níveis de dinâmica muito forte, sempre mantenha seu som sem distorção e nunca cause dor física sozinho. Não aplique pressão excessiva! Trechos Orquestrais são uma boa fonte para essa prática, como são também os Brandt Orchestral Etudes. Talvez o melhor recurso para a prática de dinâmica é o Schilke Power Exercises. Pratique 5 minutos destes no dia e será tudo o que você precisa para desenvolver a força necessária para aumentar a resistência.

Notas sobre Aquecimento

A primeira e talvez a mais importante parte da prática é o Aquecimento (Warm-Up). Aquecer é algo pessoal e toda as pessoas acatam a experiência com o que funcionam para eles, mas a seguir, algumas idéias e orientações para estabelecer o seu próprio aquecimento.

Pense no período de aquecimento como tendo dois objetivos principais, sendo o primeiro o de despertar o seu cérebro e o segundo a prática dos conceitos básicos da técnica. O aquecimento deverá iniciar-se lentamente e em seguida, passar a incluir os seis aspectos da técnica como discutido anteriormente. Naturalmente a prática específica dos problemas que você tem para tocar, mas uma certa quantidade de todas as técnicas devem ser abrangidas na primeira sessão do dia.

Eu gosto de começar com Clarke Estudos Técnicos e Cichowicz Trumpet Flow Studies. Até o momento tenho tocado uns 5 ou 10 minutos, tendo conseguido a primeira parte do meu aquecimento. Às vezes eu continuo com Stamp Warm - até Studies, que eu uso como um "centro médico" se eu sentir que preciso.

Então eu continuo com Ray Mase's 10 Semana Practice Routine, que é uma mera compilação de treinos técnicos de várias origens. Acredito que o livro de Ray é um excelente exemplo de como criar um aquecimento.

Sessões de práticas adicionais devem ser dedicadas a praticar fraquezas, aprendendo novos estudos, trechos, solos e outras peças. Não importa o que você está praticando, o seu metrônomo deve estar sempre acessível, já que ele pode atuar tanto como o "policial de ritmo" ou "treinador". O metrônomo pode ajudá-lo a se tornar consciente de inconsistências no seu ritmo e também ajudar na sua formação, tornando-lhe as coisas que em prática são mais difíceis, de modo que pareçam fáceis.

Outro aparelho que deve ser usado é o afinador, de modo que você crie o hábito de tocar afinado com você mesmo. É impossível para qualquer um tocar afinado com outro músico, se não puderem tocar afinado com ele. O afinador não mente!

Chris Gekker (American Brass Quintet) escreveu sobre prática, "cada músico, não importa quão bom, comete erros, mas muito melhores são os resultados quando fazem as duas coisas: que não tolerá-los em sessões de práticas, corrigindo o menor dos acidentes (também praticando com concentração e lentamente o suficiente para que os erros não sejam aprendidos); e na performance, reagem a qualquer erro imediatamente elevando seu nível de energia e concentração, permanecendo tranquilo e agressivo".

Estudos devem ser uma parte da sua prática diária e uma boa maneira perfeita de aborda-los é um por semana. Há infinitas fontes para estudos, mas alguns dos meus favoritos são Arban 14 Characteristic Studies, Charlier 36 Etudes, Bitsch 20 Etudes, Brandt Orchestral Etudes, Gates Odd Meter Etudes, Reynolds 48 Etudes, Wurm 40 Studies, e Longinotti Estudos em Clássica e Moderna Style. Seu professor será capaz de lhe dizer quais os livros são mais adequados para o seu nível e trompetistas de nível profissional vão beneficiar-se de todos os livros acima mencionados.

Os outros conselhos que tenho sobre praticar é investir na formação do seu ouvido e da alma. Cada músico precisa desenvolver uma compreensão sobre qual é o papel do trompete em cada peça da música, bem como para compreender quais emoções da música está a tentar exprimir. A melhor maneira de conseguir isso é ouvir todos os tipos de música e todas as oportunidades que você tenha como experiência e como um artista em seu instrumento. Técnica desenvolvida é um meio, mas não o fim!

Acima de tudo, manter-se praticando, manter-se a melhorar, e lembre-se de que somente você é responsável pelo que toca!

Notas sobre Performance, Recital e Equipamento

Cada situação de performance coloca exigências especiais e exclusivas em cima de um intérprete. Eu identifico seis maneiras em que você pode atender a esses pedidos, independentemente do estilo de música ou desempenho situação. O que se segue são habilidades que você deve desenvolver para atingir excelentes apresentações.

1. Pratique sua parte. Minuciosa prática, não só aumenta suas chances de acertar as notas certas, mas vai adicionar ao seu condicionamento físico. Seu cérebro pode aprender os ritmos próprios de cada passagem difícil.

2. Aprenda a música. Todo bom intérprete compreende o estilo da peça, assim como ter um sentimento sobre o que o compositor estava a tentar dizer com a música. A música pode realmente ajudar a abordagem técnica também.

3. Comunicação com os colegas. Comunicação é o que tem tudo a ver com desempenho. Nós nos comunicamos com o nosso público, através do conteúdo da música, mas é mais importante, comunicar-se com os músicos com quem partilhamos o palco. Isso é realizado por ouvir (os outros músicos do que você mesmo!), Líder quando necessário, movendo seu corpo para ditar entradas e ritmo, e contato visual -- ambos com outros músicos e maestro.

4. Ter reação. Todo bom músico deve ouvir e reagir à afinação, conjunto, e estilo; especialmente articulação, comprimento de nota etc.

5. Concentrado em todos os momentos. A maior parte dos erros que ocorrem na performance são resultado de uma falta de concentração. Cada músico deve desenvolver alguns truques que possam usar para concentrar-se quando perdem a atenção.

6. Tocar com confiança. Tocar com confiança resulta em uma boa utilização do ar e melhor técnica e é o primeiro passo para prevenir e melhor o nervosismo. A crença nas suas habilidades (combinado com uma boa preparação) irá percorrer um longo caminho para eliminar as reações do nervosismo.

A maioria dos concertos que participamos já estão previstas para nós. A única grande exceção é o recital individual. Recitais podem ser exigidos por uma universidade ou conservatório de graduação, ou eles podem ter fins lucrativos ou apenas por diversão. Não importa qual a finalidade do recital, uma questão fundamental permanece: Como é um programa para ele?

1. Antes de mais nada, é importante definir o propósito do recital. Trata-se de educação, um concerto pago ou simplesmente para o gozo de amigos e familiares.

2. Compreender o seu público alvo, as suas circunstâncias especiais e expectativas, ou se é um recital de estudante, o que é que vai ter a ganhar com a experiência.

3. Faça uma lista de possíveis repertórios com tempo de cada peça, e não se esqueça de escolher músicas que você gosta. Eu sempre faço três listas separadas: peças já aprendidas, peças em fase de aprimoramento e peças que se deve aprender, mas ainda não são. Assim que tiver essas listas, você pode selecionar a partir delas para construir um programa viável.

4. Selecione uma peça forte para abrir o recital. Prefiro algo um pouco rápido ou algo para piccolo. Em seguida, selecione o seu fechamento. Eu penso em algo um pouco mais leve ou uma peça de câmara e em seguida, seleciono as grandes obras (Sonatas ou Concertos). Finalmente eu pego para preencher, poucas peças que irão proporcionar contraste e repouso.

5. Anote algumas potenciais ordens de concerto, tendo em conta a forma como as peças fluirão de uma para a outra, que tipo de exigências de resistência que colocam sobre você, a colocação das peças especiais (ou seja, piccolo), a logística e, principalmente se houver mudanças de fase envolvidas.

Tempo total do Recital (30 minutos)

Abertura Transição (Contraste) Concerto ou Sonata

Intervalo

Concerto ou Sonata - peça de descanso (Constraste)

Encerramento

Recital ( tempo total - 35 minutos)

Abertura (contraste)

Grande Peça (Sonata ou Concerto)

Encerramento

Equipamento é o mais pessoal e o mais controverso aspecto de tocar trompete. Eu não digo a ninguém o que usar para tocar, mas posso dar alguns conselhos gerais. Lembre-se que quando você está mudando para algo novo, que deve sempre imediatamente ter um som melhor do que o seu antigo equipamento. A idéia de "trabalhar para ela,"não é correta. Pode haver um ajustamento ao longo do tempo, mas deve haver algumas melhorias imediatas. Certifique-se de tocar o seu novo equipamento em duas salas diferentes e sempre tocar para outros músicos. Seus ouvidos podem tomar algo no som que você não pode ouvir de seu lado da campana. Aqui estão algumas outras idéias:

1 - Identificar suas necessidades. Vocês exigem uma configuração para um determinado estilo ou de emprego, ou o que você precisa fazer é algo mais versátil? O seu cérebro tolerará a mudança de equipamentos para diferentes repertórios? Vocês precisam de mais de uma configuração para atender as suas necessidades? Ao responder a estas questões, você pode restringir suas opções possíveis.

2 - Há tendências gerais em cada tipo de trompete. Para trompete Bb, a maioria das pessoas usam médio grande furo. O peso da campana é uma questão de gosto. Trompetes em C são geralmente grandes furo. Muitos trompetistas estão ficando fora, tentando tocar muito escuro e sacrificando os agudos. Para meu ouvido, isso então já não é um verdadeiro som de trompete. Para os pequenos trompetes, olhar para a qualidade do som, resposta e facilidade de tocar os agudos.

A maioria dos trompetistas gastam muito tempo (e dinheiro) selecionando bocais. Eu toco com 1 1 / 4 C (ou 1 1 / 2 C ou 1B), e descobri que a maioria dos trompetistas são a favor desta dimensão de bocal. A melhor idéia é tentar uma grande variedade de bocais tendo em mente as seguintes idéias:

A. Profundidade do copo e da borda afetam a resposta da extensão e som. Uma taça demasiadamente profunda resulta numa fraca extensão aguda, lenta resposta, som morto. Também, uma taça rasa tende a enfraquecer a extensão grave e obtém um som pequeno

B. O tamanho e borda do aro deve caber sua estrutura facial e a forma dos seus dentes, e ter em conta a quantidade de pressão que você usa. Também, uma borda plana ou atenada sensivelmente será lenta a resposta e um aro muito fino diminuirá a resistência.

C. A abertura do backbore e da garganta aumentam o volume do som, mas pode destruir o foco do som e da flexibilidade. A maioria dos trompetistas de orquestra abrem os seus bocais.

5. Surdinas são muitas vezes um aspecto esquecido de um trompete.

Todos os trompetistas devem possuir uma ampla variedade de surdinas e ser seletivo sobre a sua utilização. Tenho metálicas e macias straights. Há tempos atrás todas úteis. Certifique-se da sua prática com surdinas, porque "se você não praticar, você não poderá reproduzir."A harmon sem o copo também pode ser uma ferramenta eficaz.. Tente praticar estudos mantendo o timbre (a quantidade de buzziness) a mesma sempre.

6. Outros acessórios que deverá ter são:

A. Óleo - Certifique-se de nunca misturar óleos de válvula. Alguns são incompatíveis e pode seriamente danificar suas válvulas.

B. Limpeza - escova de bocal e serpente. Ela também ajuda se você usá-las.

C. Graxa - Eu uso Vaselina nas minhas bombas.

D. Lápis e borracha.

E. Aspirina (para dor de cabeça e como um anti-inflamatório para os lábios)

Tradução: Bruno Garcia Fermiano

Fonte: http://www.projetomusical.com.br/artigos/

Download deste texto

Nenhum comentário: